columnist

Editorial da Semana

Editorial da Semana - Diocese de Jales

Sexta-Feira, 01 de Julho de 2022 às 07:22

MINHA VIAGEM À AMAZÔNIA – O QUE VI EM MAUÉS

Pe. Eduardo Lima, Presidente da UNIVIDA e Coordenador Diocesano de Pastoral

thumbnail

            Fui para o Amazonas num tempo em que a floresta estava em grande evidência e de luto. Quando o mundo sentia o acontecido com o indigenista Bruno Pereira e o jornalista Dom Phillips. O impacto dessas perdas reverberou em todos e, com certeza, ainda ecoa pela mata, rios e igapós, atingindo os povos e animais que nela habitam. Tomo a liberdade de citar a última frase que Dom Philips postou em suas redes sociais – "Amazônia, sua linda" — que, em sua simplicidade, traduz também o meu sentimento por esta região, que me abraça de maneiras diferentes, todas as vezes que lá estou.

                Para organizar as muitas atividades de uma Missão UNIVIDA na Amazônia, me desloquei mais de dois mil quilômetros, cortando o Brasil, encurtando o tempo de viagem, usando aviões. O deslumbramento iniciou-se quando, próximo a Manaus, observei o serpentear do Rio Amazonas. E só aumentou quando, em vôo de Manaus até Maués, em aeronave pequena, sobrevoei a floresta. Avião pequeno e a sensação de estar muito próximo de tanta mata e água, causou-me uma estranheza, misto de arrebatamento pela beleza e pelo mistério daquele lugar. Ainda não se conhece tudo que a Amazônia guarda em suas cores densas e profundas como nos quadros de Giovanni Battista Piazetta, naquele céu crepuscular espelhado na água, onde algo de negro e ocre se misturava na chegada a Maués.

            Lembro-me de, em criança, assistir pela TV a reportagens, documentários sobre a Amazônia e ficava imaginado como seria estar naquele lugar de tamanha floresta. E tive o privilégio de lá estar, pela quinta vez. E, a cada nova viagem, descubro que aquele fascínio pela floresta que possuía continua em mim e parece que nunca se esgotará. A impressão que tenho é a de que as descobertas são infindáveis nessa vastidão verde e líquida.

Navegar pelas águas de alguns dos rios da Amazônia me faz ter a sensação de que aqui é meu lugar, me sinto apaziguado deslizando por suas superfícies, que refletem céu e mata a ponto de se confundirem. Após navegar horas pelo Rio Maués-Açu, avistamos a comunidade que nos aguardava. Fiquei encantado com tudo o que via, pelas margens do rio e nos barrancos, havia uma alegre comitiva de boas-vindas, muitas pessoas aguardando pelo padre que veio de São Paulo. Ali, antes mesmo de desembarcar, já me senti abraçado por aquela gente e pensei que este momento me trouxe o prazer maior que pude encontrar na Amazônia.

 Depois de uma bonita reunião com a comunidade, quando expus as pretensões da Missão UNIVIDA entre eles, para janeiro de 2023, me levaram até uma pequena casa de madeira.  Logo à chegada, me chamaram a atenção as cortinas nas janelas, flores plantadas ao redor da habitação, muitas cores e detalhes, o asseio - o alumínio das panelas brilhava - onde, por todos os lados, o capricho se manifestava.

Quanta vida nesses rios e igarapés? E a excepcional vegetação? A megadiversidade da Amazônia é também nossa responsabilidade. Estar na Amazônia me traz a consciência e provoca uma reação amorosa por esse bioma. E, novamente, o paralelo entre a grandiosidade local e a vida, me perpassa. A vida, quando tentamos entendê-la, nos foge a questão ambiental. Não a computamos em nossas divagações filosóficas. Para explicar essa questão, gosto de citar Ailton Krenak: "Nós somos terra, nós somos água". É preciso considerar os ciclos da natureza e nós como parte dela. Para o líder indígena e ambientalista, chamar a água ou qualquer elemento natural de recurso, é limitar sua grandeza e verdade, pois a coloca como sendo algo consumido pelo ser humano, enquanto que o elemento natural é vida por si, pela própria constituição. Água é um ser vivo, capaz de alimentar-nos e dar-nos vida.

Sensações, sentimentos e emoções são palavras bem conhecidas e utilizadas no cotidiano, mas a Amazônia as provoca, porque a Amazônia é sensorial. Além das impressões que a natureza desperta, há o acolhimento com que fui recebido. Aquele povo, especialmente o da região de Maués, me recebeu com sinceridade, me abraçou física e simbolicamente em cada visita que fiz, me abrigou em seu meio e me considerou um deles. Dividiram suas mesas, ofertaram-me suas iguarias culinárias, a riqueza de seu guaraná, a hospitalidade de suas almas generosas. E foi assim, entre meus irmãos padres, com a comunidade ribeirinha, com as autoridades locais e entre as crianças. Essas então, quanto carinho, espontaneidade e alegria me ofereceram, gratuitamente, sem pretensão de troca, sem validação no fazer.

Após dias intensos de trabalho e enlevo, cansado, mas satisfeito por tudo o que vivenciei, retornei à minha casa, com toda a estrutura organizacional da 3ª Missão UNIVIDA Amazônia pronta. E com a certeza de que, seja navegando ou voando pela Amazônia, abrigado entre seu povo, estou no caminho certo, o que escolhi, o que me define: ser missionário. Quando lá estou, sinto-me mais perto da paz, de Deus.

Ouça a entrevista

imagem

Lideranças das pastorais e movimentos sociais assinam Carta Denúncia e Compromisso no encerramento do Seminário Nacional “O Brasil que temos”

thumbnail

Momentos celebrativos, apresentação do “Projeto Popular para o Brasil”, articulações pastorais e publicação de Carta da 6ª Semana Social Brasileira (SSB) integraram o encontro

Professores de Direito do Centro Universitário de Jales participam de curso de extensão internacional

thumbnail

O intercâmbio proporcionou uma experiência ímpar aos diversos convidados, contando com magistrados brasileiros, promotores de justiça, advogados renomados assim como representantes de grandes multinacionais