Quarta-Feira, 13 de Março de 2019 às 17:27

Exercícios espirituais do Papa Francisco: mostremos a beleza da memória

Na meditação da terça-feira a tarde (12/03) oferecida ao Papa Francisco e à Cúria Romana para os Exercícios Espirituais desta Quaresma, o abade de São Miniato convida a ver a vida como uma “expressão não de nós mesmos”

thumbnail

Para entender como o homem contemporâneo vive a sua relação com o tempo, é útil recorrer às reflexões do sociólogo francês Marc Augé, segundo o qual hoje “o mundo está assolado por uma ideologia do presente”. O presente não é mais “o lento êxito da progressão do passado, não deixa mais entrever um esboço do futuro”. É nesta perspectiva que se coloca a quarta meditação do abade de São Miniato no Monte em Florença, Bernardo Francesco Maria Gianni, beneditino olivetano, ao Papa Francisco e aos seus colaboradores da Cúria Romana para os exercícios espirituais desta Quaresma em Ariccia. O presente é “hegemônico”: memória e esperança – sublinha o abade – são atrofiadas por este presente”.

É cansativo criar uma memória

O diagnóstico de Marc Augé “relativo a uma verdadeira ditadura do incerto presente” é a confirmação de uma “verdadeira patologia do homem contemporâneo”, “desmantelado por um pragmatismo tecnológico e dominante”. Nesta hegemonia do presente, continua o abade, é “cansativo criar uma memória”: “É difícil recordar, ou seja, reconduzir ao coração, um coração finalmente atento e agradecido, os eventos do passado”. O cansaço da memória, sublinha, é o “cansaço de uma perseverança, é o cansaço da perseverança em permanecer no tempo, na História”. O abade que se inspira também nas palavras do poeta Mario Luzi e na ação política de Giorgio La Pira, indica o caminho da memória como o caminha que leva para o futuro.

Façam isso em memória de mim

Referindo-se a esta fundamental dimensão da memória, abade recorda em particular o que o Papa Francisco escreve na Exortação Evangelium Gaudium: “A memória é uma dimensão da nossa fé, que, por analogia com a memória de Israel, poderíamos chamar ‘deuteronómica’. Jesus deixa-nos a Eucaristia como memória quotidiana da Igreja, que nos introduz cada vez mais na Páscoa (cf. Lc 22, 19). A alegria evangelizadora refulge sempre sobre o horizonte da memória agradecida: é uma graça que precisamos de pedir”.

Testemunho eclesial

A memória, explica o monge beneditino, nos apresenta uma verdadeira “multidão de testemunhas”. Entre elas, há “algumas pessoas que marcaram de modo especial o germinar da nossa alegria de crentes”:

E então a Igreja e, no meu pequeno caso, o mosteiro ao qual pertenço, são lugares para a cidade nos quais percebe-se a possibilidade, principalmente para as novas gerações, de restabelecer o passado, presente e futuro em novos horizontes de esperança; em outras palavras, as nossas igrejas sabem ser espaços nos quais quem entra percebe a vivacidade, a vitalidade da vivência de uma vida arraigada na memória da Páscoa do Senhor Jesus.

Então, o abade propõe uma pergunta crucial: será que os jovens percebem “no nosso testemunho eclesial, uma memória confiável, que inspire um futuro do mesmo modo confiável?”

A beleza da memória

Para o benditino o caminho a ser tomado é o que mostra a beleza da memória:

Vencendo o pessimismo, encaminhados para a esperança procuramos sempre novos caminhos de fidelidade ao Senhor, enriquecidos pela linfa que nos chega da tradição, mas sem medo. Devemos mostrar – dizia São João Paulo II – aos homens a beleza da memória, a força que nos vem do Espírito e que nos faz testemunhas porque somos filhos de testemunhas, nos faz provar maravilhas que o Espírito espalhou na História.

Quanto é importante, acrescenta o abade beneditino, que nas comunidades eclesiais os jovens “sintam uma tradição que os encaminha à vida, com essas belíssimas perspectivas nas quais não estamos mais sozinhos”.

O único evento é a Páscoa do Senhor

Hoje, recorda o abade, “qualquer fato que aconteça ou qualquer manifestação é um evento”. Mas nesta perspectiva, adverte, perde-se de vista o que seja um verdadeiro Evento:

Voltar à grande experiência da traditio, vivificada por uma memória viva e criativa e principalmente importantíssima experiência para nós, diria irrenunciável, fonte e ápice da nossa vida que é a liturgia e de modo particular a Eucaristia, deveria nos deixar desconfiados do uso excessivo da palavra evento, porque para nós, de fato, o único evento é realmente a Páscoa do Senhor Jesus.

A memória cotidiana

O abade Bernardo conclui sua meditação com um pensamento que tem o sabor de oração:

Que este nosso exercício cotidiano de memória através da escuta da Palavra de Deus, a celebração litúrgica, a liturgia das horas, torne a nossa existência officium laudis, para que o nosso testemunhos realmente volte a unir o homem e a mulher do nosso tempo em uma nova aliança com o presente que Deus nos doa e assim conduzir toda a humanidade sem medo, sem nostalgias e sem hesitações para aquele futuro que o Senhor prepara para nós.

Fonte: Vatican News

Mais informações de Jales e Região você confere em www.radioassuncao.com.br

Ouça a entrevista

imagem

Jales - AGRITEC 2019 será realizado em abril reunindo empresas, produtores e alunos

thumbnail

Os envolvidos poderão participar de exposições de tecnologias e demonstrações de equipamentos por parte das empresas parceiras.

Eleitores que deixaram de votar nas três últimas eleições devem comparecer ao Cartório Eleitoral

thumbnail

Relação com nomes de eleitores que podem ter títulos cancelados está disponível na sede do Cartório Eleitoral para conhecimento dos interessados