columnist

Editorial da Semana

Editorial da Semana - Diocese de Jales

Sábado, 05 de Dezembro de 2020 às 08:20

VIDA, MISSÃO E DIÁLOGO

Padre Mário Roberto Rodrigues Faria - Administrador Paroquial da Paróquia São José Operário em Jales

thumbnail

Sou Padre Mário Roberto, Padre Diocesano, ordenado Presbítero em 07 de dezembro de 1986. Nasci em 1961, um ano após ter sido criada a Diocese de Jales, portanto, fui gestado no ventre de minha mãe no ano em que a Diocese dava seus primeiros passos na sua implantação. Isso me faz lembrar a primeira viajem feita por meus pais com destino a Santa Fé do Sul e devido a muita chuva tiveram que pernoitar no município de Jales.

Em minha caminhada de Presbítero Diocesano, trabalhei no Setor Fernandópolis atendendo os municípios de Macedônia e Guarani d’Oeste, Fernandópolis e Meridiano. No Setor Pereira/Ilha Solteira, atendi Ilha Solteira e Itapura. No Setor Santa Fé, atendi os municípios de Três Fronteiras e Santana da Ponte Pensa. São 34 anos de serviço prestado a Igreja Diocesana.

Neste ano após reflexão do Conselho Diocesano, o Bispo me designou como Administrador Paroquial da Paróquia São José Operário, em Jales. Esta Paróquia contou por muito tempo com  o serviço missionário das Irmazinhas da Assunção e depois das Oblatas da Assunção. Vale destacar, que as irmãs com o apoio do padre José Janssen e padre Guiliano Tedesco, tiveram a sensibilidade de perceber o crescimento rápido das periferias e o surgimento de novos bairros na década de 70 e intensificaram a organização social e eclesial do território que compõe a paróquia, que completou 50 anos em meio à pandemia da Covid-19.

É muito significativo a paróquia ter sido confiada ao patrocínio de São José Operário. Por isso, Deus já esta presente neste território. José, homem fiel, cuidador, homem que agiu no silêncio, na obediência à missão recebida de Deus, para colaborar com a Graça da Salvação, cumprindo a missão que lhe foi confiada. Homem trabalhador até chamado de carpinteiro nas Sagrada Escritura.

Minha chegada se dá em um tempo importante no ciclo do Ano Litúrgico o Advento, do Latim (Adventus: Chegada), que nos faz refletir a espera não passiva, mas comprometedora, nos faz pensar na Vigilância ao reino de Deus, nos implicando na construção da Paz e na defesa da Vida.

Advento é um tempo de esperança em Deus, que vem a nós na forma frágil de uma criança vinda ao mundo por Maria e sob os cuidados de José seu pai “adotivo”, guardador da Sagrada Família em tempos difíceis, cruel pela violência de Herodes contra os pequenos, indefesos e pobres.

O tempo do Advento deve renovar o nosso compromisso com o próximo, nos colocando a serviço como Cuidadores da Vida, tendo sempre a sensibilidade para com os mais vulneráveis, sobretudo em tempos de Covid-19.

A Igreja no Brasil, por meio da CNBB, nos convoca a olhar mais longe com o Conselho Nacional das Igrejas Cristãs (CONIC) e o Centro Ecumênico de Serviço à Evangelização e Educação Popular (CESEEP), que irão assessorar a Campanha Ecumênica da Fraternidade. O tema proposto será Fraternidade e Diálogo - Compromisso de amor. Com o lema, Cristo é a nossa Paz: do que era dividido, fez uma unidade (Ef. 2, 14).

Portanto, será necessário refletir no ano que vêm sobre tantas formas de polarização, agressões e violência e com isso trilharemos um caminho de compromisso com o diálogo, criando pontes em vez de muros que geram indiferença e ódio cumprindo um mandato inegável do Evangelho. E assim com a palavra de Deus na mão e no coração e com nosso testemunho cotidiano afirmamos “que as diferenças nos enriqueçam ao invés de nos ameaçar”.

Ouça a entrevista

imagem

PRECISAMOS APRENDER A DESCOMPLICAR

thumbnail

Pe. José Antonio Soares, Diocese de Jales

NOVO ANO, NOVOS ADMINISTRADORES MUNICIPAIS E AS EXPECTATIVAS

thumbnail

Padre Claudemir Ortunho - Administrador das Quase Paróquias de Pontalinda e Dirce Reis | Assessor Diocesano da Coordenação para Animação Bíblico Catequética da Diocese de Jales