columnist

Editorial da Semana

Editorial da Semana - Diocese de Jales

Sexta-Feira, 26 de Março de 2021 às 08:31

Solidariedade de Cristo, Solidariedade da Igreja

Padre Junior Lucato, Chanceler da Diocese de Jales

thumbnail

A solidariedade é um tema pertinente no âmbito de nossa fé cristã. De maneira equivocada é traduzida algumas vezes como uma ajuda pontual, principalmente em situações difíceis, quase sempre ligadas à vida financeira. Se assim unicamente o fosse, nossa solidariedade cristã não passaria de filantropia, que não é em tudo ruim, mas não possui uma característica particular: o Cristo. A nossa solidariedade sem o Cristo se esvai pelo compadecimento com as dificuldades ou sofrimentos do outro em um determinado momento de sua vida. Ficamos, portanto, restringidos a soluções momentâneas, a um alívio.

A Evangelii Gaudium nos diz que “a solidariedade, entendida no seu sentido mais profundo e desafiador, torna-se assim um estilo de construção da história, um âmbito vital onde os conflitos, as tensões e os opostos podem alcançar uma unidade multifacetada que gera nova vida. Não é apostar no sincretismo ou na absorção de um no outro, mas na resolução num plano superior que conserva em si as preciosas potencialidades das polaridades em contraste”.

Solidariedade é marca autentica do cristão, é o selo da autenticidade da fé. Incorre em contradição quem diz ser religioso, mas, incapaz de vivenciar a solidariedade. O cristão não pode agir como se não conhecesse a solidariedade ou como se tivesse medo dela.  O Papa Pio XII em sua Encíclica Summi Pontificatus fala sobre o perigo do esquecimento da solidariedade.  “O primeiro desses erros perniciosos, hoje largamente difundidos, é o esquecimento daquela lei de caridade e solidariedade humana, sugerida e imposta, quer pela identidade de origem, e pela igualdade da natureza racional em todos os homens, sem distinção de povos, quer pelo sacrifício da redenção oferecido por Jesus Cristo sobre a cruz ao Pai celeste em favor da humanidade pecadora”.

Jesus Cristo é a Solidariedade do Pai para com a humanidade submersa na condenação do pecado. O cristão que se abre à ação do Espírito Santo é inspirado a agir de forma sempre solidária, a partir de gestos corajosos para com o próximo. Não por acaso, o gesto é chamado de mandatum (mandamento) na antífona da missa de lava pés: “Um novo mandamento vos dou: que vos ameis uns aos outros como eu vos amei, diz o Senhor”(Jo 13,34). De fato, o mandamento do amor fraternal e solidário compromete todos os discípulos de Jesus, sem qualquer exceção.

A Igreja cumpre o “mandatum“, em sua essência; seu sentido é o de colocarmos em prática o serviço humilde a todos os nossos irmãos, conforme o exemplo de Jesus a seus discípulos. A Solidariedade de Cristo nos convoca a transcender do ato físico de lavar os pés do outro para vivenciar o pleno sentido desse gesto: servir, com amor e solidariedade, ao próximo. Não se resume em doações financeiras, mas em um ato de disponibilidade a todas as necessidades do outro.

Desde o início da pandemia, a Igreja Católica e diversas instituições vêm realizando ações de solidariedade e união por todo país, com o intuito de auxiliar na superação de uma das maiores crises de saúde pública. “A solidariedade é um dos atos mais nobres, e precisa ser exercitado no diálogo entre essas Instituições para que a Proteção da Vida seja colocada acima de qualquer interesse”. Vamos à solidariedade do diálogo em favor da vida?

Ouça a entrevista

imagem

19 DE ABRIL - DIA DO ÍNDIO, REFLEXÕES NECESSÁRIAS

thumbnail

Pe. Eduardo Alves de Lima, Coordenador Diocesano de Pastoral

TER ESPERANÇAS NO CRISTO QUE É ESPERANÇA

thumbnail

Vitor Rafael | Seminarista da Diocese de Jales do 2º ano de Teologia