columnist

Editorial da Semana

Editorial da Semana - Diocese de Jales

Sexta-Feira, 08 de Janeiro de 2021 às 18:27

NOVO ANO, NOVOS ADMINISTRADORES MUNICIPAIS E AS EXPECTATIVAS

Padre Claudemir Ortunho - Administrador das Quase Paróquias de Pontalinda e Dirce Reis | Assessor Diocesano da Coordenação para Animação Bíblico Catequética da Diocese de Jales

thumbnail

Iniciamos um novo ano, com novos administradores municipais do executivo e do legislativo, sejam estes iniciando o mandato ou reeleitos. Mas quais são as reais expectativas do povo? São expectativas de mudanças na forma de administrar nossos municípios, seja de grande porte ou pequeno. O que se espera dos novos administradores é que governem para o bem comum de todos os munícipes, principalmente dos mais pobres e necessitados, com uma maior participação nas políticas públicas, e não governem para o bem de si mesmos, de suas famílias ou grupos de interesses, que muitas vezes apoiam e financiam as campanhas eleitorais para receber em troca cargos, funções ou mesmo vantagens e privilégios, desviando a gestão pública da sua verdadeira missão.

O povo está cansado dessa situação, por isso, que o assunto política não ressoa bem nos ouvidos da maioria da população, e os políticos não tem o respeito dos cidadãos. As expectativas são sempre de mudanças que possam gerar uma sociedade mais democrática, participativa, onde os cidadãos possam ser ouvidos em suas reais expectativas de uma gestão municipal que gere emprego, saúde, habitação, educação, cultura, lazer… vida digna para todos.

Faz-se necessário trilhar esse caminho da democracia com políticas públicas participativas, o que muito se fala nos vários níveis de gestão, mas que na prática ainda precisa acontecer, para que haja uma participação efetiva e contínua, interagindo representantes e representados, num processo de construção. É o que precisa ser feito a partir das várias instâncias, através das quais a população possa participar por meio dos Conselhos Municipais, Orçamentos Participativos, entre outros.

Esse papel na participação das políticas públicas ou na escolha de nossos representantes nas instâncias acima citadas é de todos os munícipes (cidadãos); sejamos negros ou brancos, pobres ou ricos, cristãos ou ateus, jovens, adultos, idosos. A construção de uma nova forma de governar mais participativa e efetiva que corresponda às nossas expectativas e reais necessidades, deve contar com o envolvimento de todos, de forma comunitária, através das igrejas, associações de bairro, entidades e instituições.

O documento 105, da CNBB, diz: “Há necessidade de romper o preconceito comum de que a política é coisa suja, e conscientizar as pessoas de que ela é essencial para a transformação da sociedade”; e também, “impulsionar os cristãos a construírem mecanismos de participação popular que contribuam com a democratização do Estado e com o fortalecimento do controle social e da gestão participativa”. O Papa Francisco diz: “há necessidade de novas forças políticas que brilhem pela sua ética e cultura; que façam uso do diálogo democrático; que conjuguem a justiça com a misericórdia e a reconciliação; que sejam solidárias com os sofrimentos e esperanças dos povos…”.

E o que vamos fazer? Continuar lamentando a sorte? Reclamando dos nossos administradores municipais? Desacreditando da força que temos na união e na participação? Fugindo da palavra Política? De braços cruzados? Se Moisés não vencesse o seu medo e iniciasse o processo de libertação do povo no Egito, e não reorganizasse o povo, estariam até hoje escravos e comendo as cebolas do Egito! Vamos meu povo! Acorda! Como disse Jesus ao paralítico: “Coragem! Levanta-te e anda!” (Jo 5,8). Olhe bem para sua realidade e verás um caminho a percorrer! “O povo unido não será vencido”. Acreditemos na força da união!

Ouça a entrevista

imagem

19 DE ABRIL - DIA DO ÍNDIO, REFLEXÕES NECESSÁRIAS

thumbnail

Pe. Eduardo Alves de Lima, Coordenador Diocesano de Pastoral

TER ESPERANÇAS NO CRISTO QUE É ESPERANÇA

thumbnail

Vitor Rafael | Seminarista da Diocese de Jales do 2º ano de Teologia