columnist

Editorial da Semana

Editorial da Semana - Diocese de Jales

Quinta-Feira, 18 de Outubro de 2018 às 18:24

NÃO PODEMOS DESISTIR DAS JUVENTUDES

Pe. José Antonio Soares | Assessor Diocesano da Pastoral Juvenil - Diocese de Jales/SP.

thumbnail

O “espírito jovem” desperta nossos corações, nos abre para a reflexão de um projeto de vida, para novos e promissores horizontes. É desafiador, mas precisamos renovar diariamente uma opção “afetiva e efetiva” pelas juventudes, na busca de favorecer o desenvolvimento deles em todos os aspectos.

Atualmente, compreender a juventude corresponde entender uma construção social e cultural diversificada, que não definimos isoladamente, mas a partir de suas múltiplas relações e contextos sociais. Não dá para falar simplesmente de jovem atual, mas nos “diferentes modos de vivenciar a juventude na atualidade”, por isso: “juventudes”.

Os jovens anseiam por dias melhores, pela concretização dos seus sonhos, por encontrar um caminho coerente e com sentido. Ainda que, a princípio, sejam resistentes, recusem algumas orientações, insistam no erro ou relativizem muitas coisas historicamente boas, as juventudes buscam encontrar “o caminho, a verdade e a vida”.

A Igreja Católica, no Brasil, incentiva há mais de 30 anos os jovens com o Dia Nacional da Juventude (DNJ). Inspirados pela proposta da Campanha da Fraternidade, convida os jovens a reafirmarem seu compromisso com a Igreja e com a sociedade sendo protagonistas da história. Este ano o tema da superação da violência convoca as juventudes a construírem uma Cultura de Paz.

A proposta é incentivar ainda mais a reflexão sobre as temáticas: “Políticas Públicas para as Juventudes” e “Direitos Humanos”. As juventudes precisam, sempre mais, mobilizar-se, construir espaços de escuta e participação para pensarem e repensaremseus caminhos; se fazerem ouvir e sendo uma geração nova tornar possível uma sociedade renovada.

No caminho de preparação para o Sínodo dos jovens, que está sendo realizado neste mês em Roma,o Papa Francisco destacou a importância de sermos uma Igreja (e sociedade) à escuta e em caminho. As juventudes, muitas vezes, se sentem não-compreendidas na sua originalidade e, consequentemente, não aceitas pelo que são verdadeiramente e, às vezes, até rejeitadas. “Um primeiro passo rumo à escuta é libertar as nossas mentes e os nossos corações de preconceitos e estereótipos. (...) Este Sínodo possui a ocasião, a tarefa e o dever de ser sinal da Igreja (sociedade) que se coloca verdadeiramente à escuta, que se deixa interpelar pelas solicitações daqueles que encontra, que não tem uma resposta pré-confecionada sempre pronta”.

Não podemos desistir das juventudes, elas despertam nossos corações! Com elas aprendemos, sempre mais, a amar a novidade, saber sonhar e desejar ardentemente os sonhos; nos encantamos e somos animados a construir novos relacionamentos.  

Ouça a entrevista

imagem

QUARESMA E A CARIDADE

thumbnail

Padre Valter Lucato Campano Júnior | Paróquia São Pedro, Fernandópolis

SAÚDE E DEMOCRACIA ANDAM DE BRAÇOS DADOS

thumbnail

Dom Reginaldo Andrietta, Bispo Diocesano de Jales