columnist

Editorial da Semana

Editorial da Semana - Diocese de Jales

Terça-Feira, 30 de Junho de 2020 às 08:31

GERMINAR ESPERANÇA NO DESERTO DA VIDA

Igor Sant’Ana, Cantor e locutor da Rádio Assunção FM de Jales

thumbnail

O mês de junho é marcado pela tradicional “Festa Junina”. Trazida ao Brasil pelos portugueses, essa festa demonstra alegria por meio de músicas e coreografias. No princípio era chamada de Festa Joanina, fazendo referência a São João Batista. João teve a missão de preparar o caminho do Senhor e, antes de iniciá-la, se isolou no deserto, onde existem muitas privações e adversidades.

Assim como o profeta do Jordão, somos uma voz que clama no deserto de nossa sociedade, sofrendo as restrições que o isolamento social nos obriga nesse tempo de pandemia. Por isso, nos momentos de dificuldades, buscamos maneiras de minimizar a dor. A música, nessas ocasiões, é um santo remédio. Ela ocupa um papel fundamental na vida dos povos, e culturas. Na trajetória do povo de Deus não é diferente.

Foi durante a caminhada no deserto que surgiu o primeiro cântico Bíblico, que é o cântico da Vitória de Moisés descrito no livro do Êxodo. Enquanto atravessavam o Mar Vermelho, os israelitas, cantando, louvavam a vitória de Deus sobre os egípcios. Essa manifestação de fé, em melodia, permeia toda a Sagrada Escritura. Os Salmos presentes na liturgia da Igreja são uma linda fonte de oração e encontro com Deus.

O Evangelho de Lucas é marcado por três lindos cânticos: O Magnificat, que sela o encontro de Maria com sua prima Isabel; o cântico de Zacarias, que é um louvor a Deus pelo cumprimento de sua promessa; e o dos anjos, entoado por ocasião do nascimento do menino Jesus.

Cantar a beleza da vida faz parte da essência humana, que carregada de sentimentos e emoções, expressa, através da arte, os mais profundos dramas de nossa existência. A música nos ensina a amar, nos ajuda a rezar e, principalmente, nos faz refletir sobre os sofrimentos que vivemos pessoalmente e em sociedade. Por isso, a verdadeira música cristã é aquela que não distancia as pessoas das realidades humanas; antes, projeta a esperança de um céu e nos compromete com as responsabilidades do agora, que são urgentes.

A pandemia, pela qual estamos passando, força-nos a viver o isolamento social. Nesse tempo, a música torna-se uma grande aliada para que, mesmo isolados, não nos sintamos desolados. No deserto da pandemia ninguém caminha sozinho. Por meio de inúmeras lives, a música tem sido um meio para manter vivas as relações, conectando pessoas e promovendo solidariedade. Santo Agostinho dizia: “cantar é próprio de quem ama”.

Sendo assim, para amar a Deus e ao próximo, precisamos como João Batista, testemunhar a verdade, inclusive pela música. Mas, infelizmente, hoje em dia, vemos muitas mentiras sendo contadas e cantadas. Por isso, precisamos descobrir e valorizar artistas comprometidos com a verdade, como o fez a Diocese de Jales na escolha do hino de seu jubileu de sessenta anos.

A música exerce grande influência no comportamento humano, por isso, é um poderoso meio de evangelização. Portanto, para superar as dores de nossa existência, Deus sutura nossa alma com a agulha que a música é. Que a exemplo de João, o Profeta do Jordão, sejamos uma voz que clama e canta profeticamente, fazendo germinar esperança no deserto da vida, por meio da música inspirada por Deus, pois ela vai onde as palavras não podem chegar.

Jales, 26 de junho de 2020.

Ouça a entrevista

imagem

TRAGÉDIA E ESPERANÇA EM TEMPOS DE PANDEMIA

thumbnail

Dom Reginaldo Andrietta, Bispo Diocesano de Jales

PRECISAMOS MUDAR!

thumbnail

Vitor Inácio Fernandes da Silva, Assessor de Comunicação da Diocese de Jales e Jornalista das Rádios Assunção e Regional FM