columnist

Editorial da Semana

Editorial da Semana - Diocese de Jales

Sexta-Feira, 02 de Julho de 2021 às 16:46

AS HUMANIDADES, NA PANDEMIA

Pe. Eduardo Lima, Paróquia Santo Expedito – Fernandópolis

thumbnail

Há muito o que se dizer sobre a pandemia de Covid-19, o assunto não se esgotará, não por hora com certeza, pois atingimos a marca das mais de 500 mil mortes/ausências, no Brasil. A ciência responde prontamente essa doença, nunca tantos trabalharam tanto para salvar vidas. Ciência e Saúde estão muito bem definidas, defendidas, aclamadas por todos os Homens de boa vontade. Há um aspecto que precisa ser trazido à luz: o importante papel das Ciências Humanas – as Humanidades, nesse processo de adoecimento mundial. O conhecimento sobre a condição humana, necessidades da sociedade, as diversas problemáticas educacionais, ambientais, sociais, culturais, artísticas, religiosas, políticas e filosóficas que a pandemia produziu, além da óbvia: saúde.

 

Análise cronológica dos grandes momentos de doenças devastadoras da história humana, nos remete a Peste de Atenas- séc. V a. c., a Peste Antonina - séc. II, a Peste Justiniana - séc. VI, a Peste Bubónica ou Peste Negra - 1347 a 1351, a Gripe Espanhola - séc. XX, além de varíola, gripe, VIH,Ébola, e mais recentemente, os surtos de síndrome respiratória aguda grave SARS – 2012 e COVID-19, revela a grande capacidade adaptativa do Homem, no reagir, resistir e superar, provocando ajustes importantes e profundos no estilo de vida.

 

As Humanidades, da história à arte, há espaço de estudos para entender e lidar com a pandemia.  Transformações sociais e o impacto na população, compreender a consternação da comunidade em luto, a perda de renda por conta do desemprego, os novos desafios agregados à educação, a mudança de comportamento necessária para a prevenção e controle da doença, as anormalidades sociais, as questões ambientais, o processo em que o indivíduo se solidariza, em um mundo doente.

 

Na contemporaneidade, conhecimentos que não possuem aplicação evidente, são considerados inúteis. Essa visão prejudica o olhar para as mazelas sociais e a compreensão da vida em sociedade, elementos fundamentais para a construção de uma sociedade justa, democrática e igualitária.

 

Margaret Mead, antropóloga, considerou o primeiro sinal da civilização sendo um fêmur de 15.000 anos. Esse osso apresentou evidências que havia sido quebrado e cicatrizado. Em sociedades sem os benefícios da medicina moderna, leva cerca de seis semanas de descanso para a cicatrização de uma fratura. Um osso fraturado era uma sentença de morte àquela época, já que deixava vulnerável o indivíduo aos predadores e não poderia se alimentar, caçar, procurar água. Se esse fêmur teve tempo para se curar é porque alguém o acolheu, cuidou, providenciou comida, abrigo. Segundo Margareth Mead ajudar, apoiar alguém durante a dificuldade é onde a civilização começa.

 

“Quem canta seus males espanta”, expressão do poeta romano Virgílio, citada depois em Dom Quixote de Cervantes. A música é considerada como a arte mais antiga e primitiva de todas. Em noite especialmente fria e chuvosa lá na reserva indígena de Dourados/MS, perguntei para algumas crianças, como lidavam com a situação e a resposta foi tocante: “nós cantamos”. O que remete a Friedrich Nietzsche: “Somente a arte pode transfigurar a desordem do mundo em beleza e fazer aceitável tudo aquilo que há de problemático e terrível na vida”.


As Ciências Humanas trazem um conhecimento para a vida, a análise crítica e questões relacionadas à sociedade, à cultura e à humanidade, tão necessárias, uma vez que o Coronavírus não é uma questão apenas biológica, mas também social.

Ouça a entrevista

imagem

UNIDADE EM MEIO A DIVERSIDADE

thumbnail

Padre Miguel Donizete Garcia | Adm. Paroquial – Paróquia Nossa Senhora Aparecida – Auriflama

Setembro Amarelo: relacionar-se é harmonizar!

thumbnail

Pe, Valdair Ap. Rodrigues | Adm. Paroquial – São Bernardo – Fernandópolis/SP.