columnist

Editorial da Semana

Editorial da Semana - Diocese de Jales

Sexta-Feira, 04 de Setembro de 2020 às 09:10

A BÍBLIA É NOSSA FONTE DE VIDA

Irmã Irene Cardoso Prestes, Missionária Diocesana, Fernandópolis

thumbnail

Setembro é o Mês da Bíblia, tempo especial para redescobrirmos quão valiosa é a Palavra de Deus em nossa vida pessoal, familiar e comunitária, e motivarmo-nos a ser Igreja em missão na sociedade. Neste tempo de pandemia, tornamo-nos mais sedentos da Palavra de Deus. A Bíblia é nossa fonte de vida. Queremos beber nessa fonte que nutre nosso amor, suscita-nos solidariedade e encoraja-nos para a justiça e nos educa para defender a vida.

Com o Concílio Vaticano II, de 1962 a 1965, a Bíblia passou a ocupar o espaço que merecia na vida de nossas famílias enas atividades catequéticas, litúrgicas e pastorais.O Mês da Bíblia começou no Brasil em 1971, como fruto do Serviço de Animação Bíblica, promovido pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil.Ele tem como objetivo principal estimular o uso da Bíblia na ação evangelizadora da Igreja.

A Palavra de Deus, como fundamento de nossa identidade e nossa missão cristã, deve ser lida, meditada, rezada, vivida e celebrada de modo contínuo. Por isso, o Mês da Bíblia é um tempo forte de conscientização sobre a importância e a forma dese utilizar a Bíblia. Os cristãos, tendo a Bíblia como livro de inspiração constante, aprendem a beber da verdadeira “água”, na própria “fonte” do Espírito divino. 

Para Santo Agostinho, Deus escreveu dois livros. O primeiro deles é a própria criação, a natureza, a vida. A Bíblia, segundo livro, foi escrita para nos ajudar a entender o Livro da Vida e a descobrir nela a presença amorosa de Deus. Fomos criados à sua imagem e semelhança. Cada ser humano é, portanto,sagrado; por isso, é expressão de Deus e da sua Palavra geradora de vida.

Disso decorre a espiritualidade profética, que anuncia a aliança de amor entre Deus e a humanidade e denuncia tudo o que impede essa aliança de se concretizar: a injustiça, a violência, o abuso de poder e a idolatria. Podemos intuir três atitudes características dessa espiritualidade bíblica: a indignação diante das injustiças, a resistência aos poderosos e a intimidade com Deus na oração.

Neste Mês da Bíblia de 2020, a Igreja no Brasil propõe estudos, reflexões e momentos orantes sobre o livro do Deuteronômio, com o lema “Abre tua mão para o teu irmão (Dt 15,11)”. Deuteronômio é um livro muito rico, que mostra a aliança entre Deus e os seres humanos, fundamentada na justiça e na solidariedade com os fracos da sociedade, simbolizados pelos órfãos, viúvas e estrangeiros.

Graças ao Serviço de Animação Bíblica, que se expande em todo o Brasil, observamos uma crescente valorização da Leitura Orante da Palavra de Deus, ou seja,a leitura do texto bíblico (o que o texto diz em si mesmo), a meditação (o que esse texto diz a mim e a nós), a oração (o que esse texto nos motiva dizer a Deus) e contemplação ou compromisso (o que esse texto nos propõe realizar).

O trabalho realizado pela Comissão Bíblica e pela Equipe de Subsídios da Diocese de Jales tem sido exemplar nesse sentido, orientando a prática pessoal e comunitária da Leitura Orante da Bíblia, de modo especial neste tempo do Jubileu de 60 anos da Diocese,estimulando-nos a amar a Bíblia como fonte de inspiração para continuarmos “Crescendo em Direção a Cristo” (Ef 4,15).

Ouça a entrevista

imagem

AMANHÃ VAI SER OUTRO DIA

thumbnail

Dom Reginaldo Andrietta, Bispo Diocesano de Jales

SEMANA DA SOLIDARIEDADE E JORNADA MUNDIAL DOS POBRES

thumbnail

Pe. Eduardo Lima, Paróquia Santo Expedito – Fernandópolis